POESIA. EDUARDA DE ANDRADE MENDES

Amigos

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Sem requerimento

                                                                        photo by: katia lomosova

fui ontem a ilusão que tive
e nos sonhos que alberguei
a romeira intemporal que quis acreditar.

passou o tempo e tudo se perdeu
num arrastar lento e  desconexo
em memórias e histórias
que me fizeram depois de morta.

tenho  hoje no corpo
um véu paulatino e sem mudanças
nas noites frias das ausências
que me embriaga como requerimento
do tudo o que fui...do tudo o que não ousei.

eduarda