POESIA. EDUARDA DE ANDRADE MENDES

Amigos

quinta-feira, 4 de junho de 2015



na hora cansada das janelas fechadas
há palavras amorfas, feita de punhais de dores,
há caminhos  lentos, sonambulos...
esperando o pranto.

há nela peregrinos desfeitos de penas,
há sentidos sem sentido...
há lamentos sem gritos.

na hora cansada do nada, sente-se o uivo errante
da morte levante na parede sem preces.

Eduarda

2 comentários:

  1. errantes peregrinos
    caminos y dolientes
    son las sombras y las vertientes donde el poeta bebe

    precioso poema Eduarda
    un gusto ver nuevamente por el pixel
    ten un precioso fin de semana

    ResponderEliminar
  2. Saudades das tuas palavras, Seja bem vinda Eduarda :)

    ResponderEliminar